Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A mãe imperfeita

Porque a maternidade é difícil. E as mães precisam de rir.

A mãe imperfeita

Porque a maternidade é difícil. E as mães precisam de rir.

04
Set21

Não te arrastes!

Foto DVC.jpg

 

 

Como referi há umas semanas numa crónica para o Público, as minhas três tias paternas, à semelhança da minha avó, têm as pernas repletas (e quando eu digo repletas é mesmo, mesmo repletas) de varizes e derrames. E eu, não me perguntem porquê, apesar de tentar anular os factores de risco modificáveis (faço desporto, não fumo…), sempre acreditei que tenho reservado o mesmo destino. A verdade é que depois da gravidez comecei a ter mais vezes a sensação de pernas pesadas e já não é uma nem duas vezes que a comichão me ataca sem dó nem piedade.

Os sininhos na minha cabeça estão basicamente a tilintar num ritmo que parece dizer “cirurgião vascular, cirurgião vascular”. Mas há uma parte de mim que continua a fingir que não ouve e a juntar-me aos 35% de portugueses que sofrem de Doença Venosa Crónica, muitos dos quais não procuram ajuda médica.

E reparem, eu sei o quão tola a minha atitude é. Porque a DVC não tratada pode trazer complicações bastante graves. Aliás, já fiquei cheia de suores frios só de pensar nas minhas pernas com DVC em fase avançada, uma chatice para tratar e que se pode arrastar por meses.

E serve esta publicação para quê? Para vos alertar. Para vos dizer que a sensação de peso nas pernas, a comichão, os tornozelos inchados ao final do dia, as cãibras nocturnas e os derrames que aparecem… Nada disto são situações normais. Aliás, todas elas são sintomas de Doença Venosa Crónica e é importante que falem sobre elas com o vosso médico de família.

Como diz o excelente slogan da campanha da Servier, a que me associo para dar a conhecer esta doença, “NÃO TE ARRASTES” ou, neste caso, não se arrastem. A DVC pode ser prevenida e tratada. O que não pode é ser desconhecida.

No site http://www.dornaspernas.pt encontram muitas ajudas e informações úteis sobre o tema (o site é informativo, não contém nenhum tipo de publicidade). Tal como nas páginas DOR NAS PERNAS no Facebook e no Instagram. Vão lá dar uma espreitadela. Porque a informação é que nos salva.