Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A mãe imperfeita

Era uma vez uma mãe que estava tão cansada de ouvir histórias cor-de-rosa sobre a maternidade que decidiu criar um blogue e contar as verdades todas. Agora aguentem-na.

A mãe imperfeita

Era uma vez uma mãe que estava tão cansada de ouvir histórias cor-de-rosa sobre a maternidade que decidiu criar um blogue e contar as verdades todas. Agora aguentem-na.

14
Mai18

Os grupos de mães no Facebook #3

 

remover-duvidas-27.jpg

 

Chegou mais uma Segunda-feira e qual a melhor forma de a celebrar? Analisando mais um bocadinho daquilo que se passa nos grupos de mães no Facebook por esse mundo fora, é claro. E para hoje guardei o meu tema preferido. O topo dos topos, transversal a todos os grupos, independentemente de se focarem ou não numa área específica da maternidade. Senhoras e senhores (esta parte dos senhores era meio que escusada que acho que não há muitos por aqui) para hoje temos um especial "a mulher é bicho ruim".

 

Ora bem, tendo a perfeita consciência que o título me vai render meia-dúzia de insultos (a verdade é que também já não vivo sem eles), deixem-me clarificar um pequeno ponto antes de avançar para o cerne da questão. Contrariamente às queixas de carácter médico ou aos fundamentalismos parvos, o tema de hoje faz-me bastante sentido. Os grupos de Facebook são geralmente compostos por mulheres da mesma faixa etária e que atravessam uma fase semelhante. Só por isso têm (ou deviam ter) uma empatia grande e uma capacidade de compreensão ainda maior. Trocando por miúdos, quando me queixo que ando exausta porque tenho um filho de 17 meses e uma gravidez de 26 semanas, não acredito que alguém me possa entender melhor do que outra mulher com um filho pequeno e que também esteja grávida, percebem? É por isso que acho normal que nestes grupos, protegidos do mundo, e onde não conhecemos pessoalmente as outras participantes, seja mais fácil desabafar e partilhar um bocadinho da nossa intimidade.

 

A coisa é que as mulheres, com tudo o que têm de maravilhoso, às vezes conseguem ser lixadas umas com as outras. Têm dúvidas? Então sigamos para Bingo.

 

 

A MULHER É BICHO RUIM

 

Publicação: Olá a todas, confesso que preciso desabafar. Ando cansada para não dizer de rastos, a roupa cai-me toda, mal tenho tempo para comer e o meu marido cada vez está menos presente e ajuda menos. Como somos emigrantes, e estamos longe da família toda, só nos temos um ao outro e agora ao baby T. Mas o meu marido agora sai sempre com os colegas de trabalho e cada dia chega a casa mais tarde. Quando chega senta-se à mesa para jantar e depois com sorte mete os pratos na máquina e ferra a dormir no sofá. Não aguento mais este ritmo. Sinto-me sozinha e a enlouquecer...

Resposta 1: Bolas eu cá quando leio estas coisas cada vez mais tenho a certeza que tive mesmo sorte com o homem que me calhou. O meu ajuda em tudo, não há nada em casa que ele não faça e de noite é sempre ele que se levanta para dar o leitinho à nossa bebé. Ele compreende que preciso descansar. Veja lá mamã que esta semana até passou a ferro um dia.

 

Comentário da mãe imperfeita a isto tudo: É muita putaria, senhoras. A melhor maneira de confortar uma mulher que se queixa que o marido não ajuda nada e está exausta é exactamente esfregar-lhe na cara que o nosso é a versão com cromossoma Y da Gata Borralheira sem as irmãs feias de brinde. De certeza que tudo o que esta desgraçada precisava de ouvir era que o marido da outra até dá leitinhos de noite e passou a ferro. Isto quando o dela não faz pontinha de corno excepto comer e dormir no sofá. Aposto que a mulher que fez este desabafo ficou muito mais aliviada depois de ler esta resposta. Ou isso ou foi à gaveta dos talheres, tirou a faca do pão e cortou os pulsos. É muita maldade encapotada caraças.

 

 

Publicação: Olá a todas as participantes do grupo. Espero que vocês e os vossos babies estejam bem. Eu ando super preocupada com a questão do andar pois a minha Benedita, já com quinze meses, ainda não dá nem um passinho sozinha. Se for agarrada às coisas tudo bem mas se a largamos senta-se logo no chão ou vai de gatas...

Resposta 1: Olhe mamã, eu acho que não devia ficar preocupada porque cada criança tem o seu ritmo e é perfeitamente natural que a sua menina ainda não ande. Por acaso o meu Diogo começou a andar antes dos 12 meses e já o meu mais velho tinha feito o mesmo mas é o que lhe digo, cada criança tem o seu tempo.

Resposta 2: Nisso por acaso a minha foi mesmo precoce que deu os primeiros passos sozinha aos dez meses. Mas eu no seu lugar não me preocupava. O que diz o pediatra, já agora?

Resposta 3: É normal sim. Um dia quando menos esperar ela larga-se e anda sozinha. A minha foi assim, aos treze meses.

 

Comentário da mãe imperfeita a isto tudo: Ora bem, em primeiro parabenizar a autora da publicação por fugir à regra do "olá mamãs". É uma pena que não tenha fugido também à dos "vossos babies" mas isto já se sabe que nunca se pode ter tudo. Em relação às autoras das respostas olhem... Merdinha para as três. Realmente uma forma perfeita de tranquilizar uma mãe é mostrar-lhe a precocidade dos nossos filhos comparativamente aos dela. Aposto que a pessoa ficou muito mais descansada depois de perceber que estes putos começaram todos a andar muito antes da filha. Epá, se querem ajudar porque é que não ficam só pelo "é normal sim, cada um com o seu ritmo". Depois todas as outras mães, aquelas cujos filhos não são precoces, podiam então acrescentar "o meu também tem 15 meses e ainda não anda" ou "o meu mais velho só começou a andar aos 18 meses e entrou este ano em engenharia biomédica no Técnico". Percebem o ponto de vista? Guardem lá as gabarolices para quando elas não causam dano, sim?

 

 

Publicação: Bom dia a todas. Hoje venho expôr aqui um problema que me tem afectado bastante. Então é assim, desde que engravidei que perdi todo o desejo sexual. É uma coisa quase angustiante. Até tenho pena do meu namorado que coitado deve andar quase a subir às paredes (estou de 31 semanas). Não é por ter medo de fazer mal ao bebé nem nada disso é só mesmo falta total de vontade. Mais alguém por aí com o mesmo problema?

Resposta 1: Ihhhh, por aqui o problema é o oposto. A gravidez transformou-me numa tarada que pensa em sexo a toda a hora. O meu marido até custa é a dar conta que até já me foge e finge que está a dormir LOLOLOL

Resposta 2: Eu por acaso mantive o apetite sexual igual. Não será melhor ir a um psicólogo ou assim? O homem ainda rebenta... Ou então vai arranjar outras maneiras de se aliviar, se é que me entende...

 

Comentário da mãe imperfeita a isto tudo: Amiga, tivesse eu estado neste grupo e dizia-lhe já que a única fêmea na natureza que se deixa cobrir quando está grávida é mesmo a mulher e, portanto, a falta de apetite sexual é capaz de ser uma coisa perfeitamente normal. São muitas alterações e de tantas ordens que o sexo acaba por desaparecer da nossa mente (pelo menos da mente de algumas). As coisas hão-de voltar ao normal daqui a uns tempos (mas não pense que é logo quando o puto nasce que aí nada melhora nessa área, antes pelo contrário). E é tudo normal e faz parte. Em relação às duas despachadonas das respostas nem sei bem o que diga. Se calhar que tenho pena do marido da primeira e que a segunda devia ganhar uma micose num sítio qualquer onde não se conseguisse coçar. É que reparem, nem dá para tentar retirar uma gotinha de bondade de respostas destas... A primeira queixa-se que ficou ninfomaníaca (ela diz tarada porque não deve conhecer o termo) mesmo como quem diz "pino por mim, por ti e pela vizinha" e a segunda facilita imenso a vida da "publicadora" quando lhe enche o sótão de macaquinhos numa espécie de "pensa lá bem o que é que o teu marido pode vir a fazer por tua culpa". Olhem, estrelinha que as guie.

 

 

E pronto, tenho ou não tenho razão? Foram só três exemplos mas é porque não vos quero aborrecer muito. Para a semana há mais e o tema será "coisas que só se aprendem nos grupos de mães". Até lá, haja saúde.

 

 

* Imagem retirada do Google