Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A mãe imperfeita

Uma mãe imperfeita, cansada e desarranjada, que veste o puto na Zippy e na Primark e lhe dá Papa Cerelac ao lanche. Às vezes, quando se porta bem, ganha uma bolacha Maria.

30
Jan18

Os super pais

IMG_2809 (2).JPG

Hoje o pai cá de casa deitou-se no sofá para ver um bocadinho de televisão e, passados dois minutos, dormia o sono dos justos. Anda cansado, estoirado, rebentado. E eu fico a pensar que, muitas vezes, também com os homens a sociedade (que é como quem diz "as mulheres") é um bocadinho injusta. Se é verdade que conquistámos o nosso papel ao longo dos séculos e, felizmente, já não ficamos a espanar o pó da gruta enquanto eles vão caçar mamutes, também é verdade que a pressão que exercemos sobre eles aumentou brutalmente. Não é que a gente queira o mamute mas, se formos honestas connosco próprias, ainda queremos o caçador.

 

Vá, não comecem a abanar a cabeça e a dizer que não. Mesmo que cada uma de nós acredite que não faz cá pressão nenhuma, a verdade é que os homens também sentem que é suposto terem um six pack definido e um rabo rijo. Sentem que é suposto darem conta do recado no que aos trabalhos de maior carga física diz respeito, sentem que precisam de um óptimo desempenho sexual e, se souberem cozinhar, o bónus é adicional. Duvido que haja algum homem que não se sinta pressionado para "meter dinheiro em casa", matando-se a trabalhar mas sabendo que, ao mesmo tempo, precisa ser amigo, companheiro e confidente. Os homens sabem que precisam de tempo para a família e, mais do que tudo, precisam ser bons pais. 

 

E é aqui que tudo se complica. Não é que alguém espere que o homem escolha (pelo menos de forma minimamente decente) a roupa dos miúdos, não é que alguém espere que as crianças saiam de casa bem penteadas ou livres de ramelas quando são despachadas pelo pai. Mas todas esperamos que o pai monte a cadeirinha do carro, que leve os putos a jogar à bola, que os carregue às cavalitas, que fotografe todos os momentos, que tire o carrinho da bagageira, que os ensine a andar de bicicleta e os leve ao judo e à natação. E é suposto fazer isto tudo enquanto dá o litro nove ou dez horas por dia no trabalho.

 

Se é verdade que nós também aguentamos isto tudo e vamos sobrevivendo, entre suspiros e reclamações, não é menos verdade que a pressão também é alta do lado do cromossoma Y. Nós queimámos soutiens e fomos fazendo ouvir a nossa voz e as nossas queixas, tornámos conhecida a nossa "ladainha" e eles, mais silenciosos, foram ficando um bocadinho esquecidos, como se todas as pressões do mundo fossem exclusivamente femininas. Não são. E quando vejo o pai cá de casa assim estourado, esticado no sofá, lembro-me que devia ser um bocadinho mais tolerante porque o mundo é exigente dos dois lados e, já a minha avó dizia "não faças aos outros aquilo que não gostas que te façam a ti".

 

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D