Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A mãe imperfeita

Porque a maternidade é difícil. E as mães precisam de rir.

A mãe imperfeita

Porque a maternidade é difícil. E as mães precisam de rir.

17
Mai19

Um bocadinho de publicidade a mim própria

 

capa-1-3_orig.jpg

 

 

Bem... Hoje vou fazer um bocadinho de publicidade a mim própria, pode ser?

Deixem-me lá, finalmente e com calma, apresentar-vos o meu segundo livro.

 

Ora, o "A mãe imperfeita responde" nasce do excesso de prints de perguntas "tontinhas" feitas em grupos de mães e que estavam a deixar a memória do meu telemóvel mais lenta que as sinapses da Maria Leal. O facto de saber que vocês gostam da rubrica das Segundas-feiras a juntar à pressão do meu editor que queria uma brincadeira para apresentar na Feira do Livro de Lisboa, acabou por culminar neste meu "mais novo".

 

Muitas pessoas me têm perguntado porque raio não quis este livro nas livrarias mas a resposta é simples: acho que este livro só faz sentido para quem conhece a página e, nas mãos de alguém que nunca aqui esteve, fica perfeitamente descontextualizado. É por isso que só pode ser comprado no site da editora ou na Feira do Livro de Lisboa onde vou estar, no dia 2, a apresentá-lo com humor.

 

O preço? 9.90€! Acreditem que tentámos torná-lo o mais barato possível mas não deu para baixar mais que isto (até porque fizemos uma edição muito pequena e única - sim, quando os exemplares impressos esgotarem está a coisa acabada e não vão existir mais edições). De qualquer forma eu acho que é um preço bastante agradável.

 

E, mais especificamente, este livro consiste em quê?

 

Pois que é um livro onde dou resposta às questões dos grupos de mães, agrupadas em dez capítulos diferentes que vos passo a apresentar.

 

O Cap. 1 [O cérebro de uma grávida (ou a balada de um neurónio solitário)] responde a questões sobre o período da nossa vida em que não temos a certeza de não termos sido lobotomizadas: a gravidez. Aqui descobrimos mães que querem que a futura filha se chame Diesel e outras com sonhos eróticos altamente rebuscados.

 

O Cap. 2 [Está cá fora! E agora?] refere-se às dúvidas colocadas sobre o período do pós-parto e apresenta-nos, entre outras coisas, pais que nunca ouvem os filhos a chorar de noite e uma mãe que quer decorar a Igreja onde vai baptizar o filho com figuras alusivas ao tema do baptismo.

 

O Cap. 3 [Mitos, crendices e outras intrujices] dedica-se a responder a questões relacionadas com ascrenças existentes à volta da maternidade e mostra-nos o desespero de uma mãe que procura um fio de barba de bode e outra mãe que se culpa porque deixou cair uma pevide de melancia na barriga de grávida.

 

O Cap. 4 [Os filhos crescem] fala das lutas e dramas das mães de filhos mais crescidos e apresenta-nos a criança que responde "tu não me fodas" a toda a gente e dá-nos a receita secreta para lidar com filhos adolescentes.

 

O Cap. 5 [Conhecimento é poder] dedica-se a combater a desinformação em que algumas pessoas ainda vivem e mostra-nos que há mulheres que arrotam pela vagina.

 

O Cap. 6 [As sogras e os filhos das sogras] fala de relacionamentos e de instintos homicidas e ensina até alguns truques para aumentar o prazer sexual de homens e mulheres.

 

O Cap. 7 [Best of] traz de volta algumas das questões publicadas às Segundas e que vão ficar para sempre no nosso coração.

 

O Cap. 8 [E os grupos de pais?] é o resultado da incursão que fiz pelos fóruns de paternidade e basicamente apresenta as queixas dos nossos maridos e prova que não somos só nós quem perde inteligência nesta fase da vida.

 

O Cap. 9 [E se os filhos tivessem um grupo?] é um capítulo totalmente inventado onde, aquilo que fiz foi colocar-me na pele dos nossos filhos, e tentar imaginar que perguntas e respostas dariam se tivessem acesso a um grupo on-line como nós temos.

 

O Cap. 10 [O Sr. Camões que me desculpe] é o meu preferido porque é onde respondo em forma de "poema" a questões pertinentes como o caso do cozinheiro que ejaculava para o molho das francesinhas ou a história da grávida que não controlava o desejo de comer cimento em pó.

 

 

E pronto, é isto. Desculpem lá a publicidade mas também tenho que me mostrar um bocadinho que tenho dois putos para criar e as pilhas do implante coclear custam os olhinhos da cara. Gostava de pedir a quem já leu o livro para deixar a sua opinião nos comentários. E, se quiserem comprar, é carregar AQUI!

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.